Arquivo de Setembro, 2009

30
Set
09

The Spirit (2008)

Down these mean streets a man must come. A hero born, murdered, and born again.

Down these mean streets a man must come. A hero born, murdered, and born again.

Ok, mas quem raio deu autorização para utilizarem os mesmos efeitos de Sin City aqui? Quem? Will Eisner deve estar às voltas no túmulo. Mas, só por acaso, o filme até tem algumas coisas que dá para rir. Os clones dos capangas de Octopus e seus nomes (Huevo, Dildo, Adios, Amigos e outros que tais), o arsenal de Octopus, que parece ter mais armas de que Rambo, Robocop e Terminator juntos. Mas o verdadeiro motivo para perder quase 100 minutos a ver isto é sem sombra de dúvida Eva Mendes. Eu vendo a minha alma ao demo para ficar 10 minutos com ela. Que ela é boa é, mas aqui atinge o estatuto de Deusa. De resto, a história gira na procura do Tosão de Ouro e do sangue de Herácles. De Frank Miller (Se o Sin City 2 sai assim, vais conhecer a redacção do SHV, armada com um cajado, um alicate e um maçarico), com Jaime King, Gabriel Macht, Dan Gerrity, Arthur the Cat, Kimberly Cox, Brian Lucero, David Brian Martin, Larry Reinhardt-Meyer, Frank Miller, Eva Mendes, Eric Balfour, Samuel L. Jackson, Louis Lombardi, Scarlett Johansson e Sarah Paulson.

Ora, retirando a raiz quadrada da hipotenusa elevada ao cateto, temos que a formula quimica da navalha é kapa 2 o 3

Ora, retirando a raiz quadrada da hipotenusa elevada ao cateto, temos que a formula quimica da navalha é kapa 2 o 3

Mais vale ver o programa do Goucha


Reblog this post [with Zemanta]
Anúncios
29
Set
09

Condorman (1981)

He Spies! He Flies! He Death-Defies!

He Spies! He Flies! He Death-Defies!

Já estou a imaginar as vossas caras. Mas que raio é isto. Condorman, Walt Disney, um gajo com fato esquisito, outro de laço? Walt Disney, tentando aproveitar o sucesso que 007 estava a ter, tentou criar o seu agente secreto, baseando-se num personagem de BD. Depois temos toda a panóplia de artigos Condorman. Carro Condorman, fato Condorman e outros artigos. É sem sombra de duvida divertido e refrescante este, por assim dizer, bafo de ar fresco aos filmes de espias e embora a nossa personagem principal seja particularmente um actor de coisas que ninguém vê, é completamente rodeado de pesos pesados da arte que tanto amamos. De Charles Jarrott, com Michael Crawford, Oliver Reed, Barbara Carrera, James Hampton, Jean-Pierre Kalfon, Dana Elcar, Vernon Dobtcheff, Robert Arden, Gérard Buhr e David Pontremoli.

De seguida irei trasformar o pópó em Knight Rider 2048. E eu com uma Peruca em Hasselhoff com70 anos.

De seguida irei trasformar o pópó em Knight Rider 2048. E eu com uma Peruca em Hasselhoff com70 anos.

Mais vale ver o programa do Goucha


Reblog this post [with Zemanta]
28
Set
09

Knowing (2009)

Knowing is Everything...

Knowing is Everything...

Provavelmente, muitos dos leitores do nosso Blog não gostaram do filme. Eu gostei particularmente da ideia e de algumas cenas, que sem sombra de dúvida me encheram o olho, mas há outras coisas que tornam o filme tonto. A ideia dos extraterrestes é abusada. Relembrando que a carreira de Alex Proyas é muito curta e muitos também não gostaram de I, Robot, já esperariam, portanto, a queda do artista. Mas mesmo assim ele consegue, através da sua forma peculiar de contar histórias, salvar-se. Mas também muita gente estava a espera de ver mais uma purga daquele que provavelmente será um rapaz sem sorte, de seu nome Nicolas Cage. É verdade que tanto Ghost Rider, The Wicker Man e Bangkok Dangerous são obras para enterrar na fossa abissal no meio do Oceano Atlântico. Mas por isto mesmo devemos dar um desconto ao rapaz. Ora um actor que passa todo o filme a mamar whisky, da garrafa, à lá macho, é porque sabe que está a passar um mau momento da carreira. Não, não estava escrito no argumento, aquilo é mesmo sofrimento. Sendo assim, acho que temos de dar um desconto ao rapaz, ele até se esforça. De Alex Proyas, com Nicolas Cage, Chandler Canterbury, Rose Byrne, Lara Robinson, D.G. Maloney, Nadia Townsend, Alan Hopgood, Adrienne Pickering, Joshua Long, Danielle Carter, Alethea McGrath, David Lennie, Tamara Donnellan, Travis Waite e Ben Mendelsohn.

Ora, vejamos. 16 litros de bagaço, 13 de agua-pé, 5 de geropiga e 7 bolas de zimbro e temos um JB falsificado

Ora, vejamos. 16 litros de bagaço, 13 de agua-pé, 5 de jeropiga e 7 bolas de zimbro e temos um JB falsificado

Vale a pena deixar de ver a bola e a caneca da cerveja a aquecer para ver isto


Reblog this post [with Zemanta]
27
Set
09

Drag Me To Hell (2009)

Christine Brown has a good job, a great boyfriend, and a bright future. But in three days, she's going to hell.

Christine Brown has a good job, a great boyfriend, and a bright future. But in three days, she's going to hell.

Ora, pelos vistos eis alguém que se libertou das teias onde estava envolvido. Sam Raimi volta ao género que o lançou para dar mais uma pedrada no charco. Num momento em que o estrume vive nas cabeças dos grandes estúdios e são lançados, como pratos do tiro aos pratos, remakes de tudo e mais alguma coisa, eis que Raimi, acompanhado da famelga quase toda e do seu carro também, que nisto de conter custos o rapaz até que é poupado (espero que não seja para os futuros Spiderman) decide dar uma lufada de ar fresco ao cinema de terror. Não que estejamos perante uma obra prima, mas que não se dá conta do tempo passar enquanto assistimos à fita, lá isso é verdade. Cheio de cenas de encher o olho, outras bastante caricatas e outras com bastante humor, Raimi puxa dos seus galões e quase que faz com que Drag Me To Hell possa quase ser consideerado o Evil Dead do Sec. XXI. A única coisa que não perdoamos ao mestre é não ter dado a Bruce Campbell uns 30 segundos de cena, nem cinco. Nada. è que o poderia até por como extra, mas nem isso. As amizades devem-se manter, Sam. Qualquer dia estás na penúria e hás-de pedir ao Bruce ajuda.  De salientar o papel de Lorna Raver, simplesmente hilariante e espectacular. De Sam Raimi com Alison Lohman, Justin Long, Lorna Raver, Dileep Rao, David Paymer, Adriana Barraza, Chelcie Ross, Reggie Lee, Molly Cheek, Bojana Novakovic, Kevin Foster, Alexis Cruz, Ruth Livier, Shiloh Selassie, Flor de Maria Chahua, Christopher Young, Ricardo Molina, Joanne Baron, Fernanda Romero, Ted Raimi, Ali Dean, Octavia Spencer, Meyoung Laman, Bill E. Rogers, Cherie Franklin, Olga Babtchinskaia, Alex Veadov, Bonnie Aarons, Emma Raimi, Michael Peter Bolus, Peter Popp, Scott Spiegel, Bridget Hoffman, Tom Carey, Lia Johnson, Jay Gordon, Henry Raimi, Lorne Raimi, Chloe Dykstra, Nick Vlassopoulos, John Paxton, Irene Roseen, Aimee Miles e Art Kimbro

Mas minha senhora, por eu ser a manager de Marante, não quer dizer que eu possa fazer com que você se case com ele.

Mas minha senhora, por eu ser a manager de Marante, não quer dizer que eu possa fazer com que você se case com ele.

Arranje um emprego como vendedor de pipocas para ver o filme no cinema


Reblog this post [with Zemanta]
26
Set
09

When Eagles Strike (2003)

When eagles strike_boxDVDcre

De vez em quando sai um filme tão magnífico que somos incapazes de nos conter na nossa felicidade. Numa onda de revivalismo dos filmes de acção dos anos 80 e 90, Cirio Santiago (que realizou em 1988 The Expendables) resolveu pegar em meia dúzia de granadas de madeira, umas poucas de réplicas de M16 compradas na feira da ladra, umas fardas militares, uns estalinhos de Carnaval e no Roger Corman para produzir isto. Os actores? Só gente do mais alto calibre da série C – Christian Boeving como líder da missão para resgatar políticos norte-americanos das mãos de terroristas filipinos da Al-Qaeda, Stacy Keach como o general anti-tortura que vê as coisas à distância, e mais um monte de actores com feições asiáticas. Desde que Braddock veio embora que o sudeste asiático não via tanta acção. Até uma ponte de cordas rebentam, passando por cenas de tortura, imensos tiroteios e explosões, um twist na história e até pequenos side-plots envolvendo as personagens secundárias. Só peca pela falta de uma presença feminina, mas no meio de tanta explosão um gajo até se esquece. O Bay que ponha os olhos aqui. Como nota de rodapé, tenham em conta que isto apesar de ser um DVD, e de ser de 2003, tem uma qualidade de imagem autenticamente tirada da década de Braddock, certamente devido ao facto da película usada na rodagem ter a data de validade de 1987, ou não fosse Corman um purista da 7ª arte.

O que é que não se pode fazer dentro de casa, abrir um guarda-chuva ou disparar um rocket? Abrir um guarda-chuva. Ah...ok.

O que é que não se pode fazer dentro de casa, abrir um guarda-chuva ou disparar um rocket? Abrir um guarda-chuva. Ah...ok.

Vale a pena deixar de ver a bola e a caneca da cerveja a aquecer para ver isto

PS – Considerem isto um aquecimento para o próximo The Expendables.

Reblog this post [with Zemanta]
25
Set
09

District 9 (2009)

district_9_movie_poster14

Diferente. É a melhor palavra que posso encontrar para catacterizar District 9. Pensem em Enemy Mine, misturem um bocado de Mars Attacks!, temperem com uns VFX e acção tipo Independence Day (mas muito mais frescos e de melhor colheita, livre de pesticidas como o Will Smith), temperem com alguma violência de Starship Troopers e levem a tostar na produção de Peter Jackson. District 9 consegue ter uma história que nos agarra, muito por causa da empatia que Sharlto Copley consegue criar com o personagem Wikus, uma intensidade dramática fora do comum para um filme deste género e momentos de humor bem conseguidos. Passemos à história. Os prawns, que é como quem diz os alienígenas, chegam à Terra no Verão de 1982, não porque gostavam de ouvir o Don’t You Want Me de Human League, nem o Eye of the Tiger de Survivor, mas porque a nave deixou de funcionar ali por cima de Joanesburgo. São evacuados da nave mãe e enfiados num gueto que dá o nome ao filme até que o governo decide mudá-los para um novo campo. De Neill Blomkamp, com Louis Minaar, Vanessa Haywood e um CG de luxo vindo da Toronto Film School.

Nãaaaaaaao, não me levem para um filme do Bay, por favor!!

Nãaaaaaaao, não me levem para um filme do Bay, por favor!!

uwe-boll-thumbs-up

Reblog this post [with Zemanta]
24
Set
09

Dying God (2008)

The hunt begins

The hunt begins

Ok, o filme é fraquito ou talvez menos conseguido, salvando-se apenas a interpretação do The One and Only Lance Henriksen. Temos um cop corrupto, que gosta de ir às gajas, viciado em tudo o que é porcaria, que terá pela frente um caso ímpar. Tem de resolver os misteriosos assassinios cometidos por um extraterreste, ou melhor dizendo um Deus Sul Americano, de seu nome Kurupi ( e eu a pensar que lhe poderiam por um nome com Jess Francostein). Kurupi, como qualquer homem que se preze, quer ter descendência, para levar o puto a ver a bola e ir com ele às gajas. Mas sendo ele muito parecido com aquela coisa nojenta que nos é apresentado na 4ª entrega do pack alien, é dificil ao rapaz arranjar uma garina para mandar umas cambalhotas. Eis então que decide começar a procurar por uma mulher da vida, que o ajude a conseguir o seu objectivo. Para ver antes de se acabar o stock de filmes de Michael Bay que tem em seu domicilio. De Fabrice Lambot, com Luciana Aguirre, Samuel Arena, Louis Ballester, Agathe de La Boulaye, Iván Espeche, Hugo Halbrich, Lance Henriksen, James Horan, Brad Krupsaw, Enrique Liporace, Victoria Maurette, Misty Mundae, Pablo Padilla, Kevin Schiele, Mariana Seligmann, Maxime Seugé e Nicolás Silvert.

Ai meu Deus. Estou velho demais para estas merdas.

Ai meu Deus. Estou velho demais para estas merdas.

Nem com Glenfiddich 1937 isto marcha


Reblog this post [with Zemanta]



Setembro 2009
S T Q Q S S D
« Ago   Out »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Useful Links