16
Maio
09

Absolon (2001)

absolon

De vez em quando também aparece um filme de baixo orçamento que é realmente mau. Absolon é um deles. Mas não por culpa dos actores que também devem ter sofrido bastante ao longo desta violação ocular. Absolon conta-nos a história de um futuro não muito distante (lembro-me de referirem a data 2014 pelo menos), onde um vírus que apareceu depois da destruição da floresta amazónica (que o mantinha preso!) dizima 5 mil milhões de pessoas da face da Terra. Os restantes caem sobre o domínio de uma empresa farmacêutica que fabricou um medicamento chamado Absolon para impedir que as pessoas morram. A economia e a sociedade alteram-se drasticamente ao ponto de as pessoas receberem horas de vida como moeda pelo trabalho, traduzida em doses de Absolon. Vamos lá a ver, um argumento destes até tinha pernas para andar se fosse bem aproveitado, no campo da ficção científica, mas o overacting, a mistura de antigo e novo, colocando alguma high tech aqui e ali com as coisas mundanas (e algumas realmente antigas como uma granada da 2ª Guerra Mundial!) falha redondamente em conseguir captar um ambiente pseudo-cyberpunk (só pode ser o que queriam da maneira que a Roberta Angelica anda vestida). Os actores esses são de um calibre altíssimo, Christopher Lambert é o detective que anda a investigar a morte de um cientista que supostamente descobriu a cura para o vírus e que tem a mania de disparar sem apontar e é fã de Torrente (por culpa do realizador, o galego David Barto que participou no departamento artístico de Torrente 2), Kelly Brook a cientista que o vai ajudar, Lou Diamond Phillips o assassino que anda atrás dele e Ron Perlman o líder da farmacêutica que domina o mundo apenas com um rato cromado na sua secretária e escritório gigante em mármore negro. Quando parecia que íamos ter o momento alto do filme com Kelly Brook a despir-se em busca de um dispositivo de localização, Christopher Lambert decide ter um momento de inteligência e descobre que o tinha no bolso, parando a menina em pleno acto. Não se faz.

Nem com Glenfiddich 1937 isto marcha


Reblog this post [with Zemanta]
Anúncios

0 Responses to “Absolon (2001)”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


Useful Links


%d bloggers like this: